Pesquisadores da Uespi desenvolvem protocolo de avaliação neuropsicológica em neurocirurgias

16/04/2024 10h20


Fonte Governo do Piauí

O Laboratório de Neurociência Cognitiva ((LaboNC) da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), sob a coordenação do professor Eleonardo Rodrigues e do professor mestre João Damasceno Neto, está liderando um projeto em parceria com o Núcleo de Tratamento dos Tumores Encéfalo Medulares (Nuttem) do Hospital São Marcos (HSM), coordenado pelo professor Nazareno Pearce Brito. O objetivo principal deste projeto é desenvolver um protocolo de avaliação neuropsicológica em neurocirurgias em pacientes acordados, especialmente os com gliomas em áreas eloquentes cerebrais.

Estão sendo selecionados, prospectivamente, 40 pacientes pelos pesquisadores, durante o período de dois anos. Esses pacientes serão examinados e selecionados em consultórios particulares, ambulatórios, transferências e/ou internações pelo SUS para o Hospital São Marcos, desde que estejam dentro do perfil da pesquisa: portadores de gliomas em áreas eloquentes cerebrais, com mais de 18 anos, de ambos os sexos, e que apresentem lesões localizadas no cérebro dominante. A ênfase será nas funções cognitivas superiores, como linguagem, memória, atenção, exame das funções executivas, praxia e visuoconstrução, além do comportamento motor.

O Laboratório de Neurociência Cognitiva (LaboNC-Uespi), composto por três professores e nove alunos do Curso de Psicologia, possui um protocolo que se diferencia dos métodos tradicionais, promovendo um atendimento humanizado, focado no bem-estar emocional do paciente, além do cuidado técnico especializado. A equipe de neuropsicólogos da Uespi oferece uma escuta qualificada durante todo o processo, desde o pré até o pós-operatório, proporcionando um acompanhamento mais abrangente e detalhado.

Segundo um dos autores do projeto, professor Eleonardo Rodrigues, o protocolo desenvolvido pelo LaboNC visa identificar as funções psicológicas comprometidas pelo tumor e direcionar os testes neuropsicológicos de forma específica para essas áreas afetadas. Além disso, o protocolo será comparado com os resultados de instrumentos já estabelecidos, garantindo sua precisão e objetividade.

“O protocolo a ser desenvolvido será dirigido diretamente às áreas acometidas ou possivelmente acometidas pelo tumor, de modo a relacionar as funções psicológicas superiores àquelas regiões (córtex, núcleos e fibras brancas). O protocolo, portanto, pretende estar estruturado por fatores do tipo função psicológica/região encefálica, considerando, obviamente, que as funções ocorrem em redes neuronais”, relatou o docente.

Professor Nazareno Pearce Brito e professor Eleonardo Rodrigues (Imagens/acervo pessoal)
O professor ainda enfatiza que os potenciais benefícios para os pacientes submetidos a neurocirurgia utilizando este novo protocolo são significativos. A inclusão da avaliação dos estados emocionais permite uma redução nos níveis de estresse pré-operatório, enquanto a abordagem multidisciplinar favorece uma ressecção cirúrgica mais precisa e segura, resultando em melhores desfechos para os pacientes.

“O objetivo principal do projeto para a instituição é, com a implantação do Núcleo de Neuroncologia e a implantação do Grupo de Neurocirurgia Acordada (Awake neurosurgery), mantermos resolutividade com qualidade e, se possível, atender a todos que precisam, oferecendo um resultado de excelência ao trabalho em equipe, com elevado grau de profissionalismo e coleguismo”, acrescenta Eleonardo Rodrigues.

O protocolo também promete contribuir para avanços na compreensão e tratamento de distúrbios neuropsicológicos associados a procedimentos neurocirúrgicos. Ao identificar as funções preservadas e prejudicadas antes e após a cirurgia, os profissionais de saúde podem encaminhar os pacientes para tratamentos neuropsicológicos específicos, otimizando sua recuperação e qualidade de vida.

“As avaliações neuropsicológicas no período pós-operatório verificam se surgiram prejuízos em funções antes não existentes, se prejuízos pré-existentes melhoraram e o que se mantém preservado. Dessas avaliações, é possível, portanto, fazer encaminhamentos para tratamentos neuropsicológicos bastante precisos, a fim de o paciente receber as estimulações cognitivas ou de outra natureza de modo bastante adequado”, concluiu o professor.

A aluna participante do LaboNC, Ana Valéria Matos, ressalta que ingressou no laboratório quando ainda estava no terceiro período do curso. Segundo ela, a vontade de ingressar no grupo partiu diante de seu interesse em neuropsicologia.

“No início do curso, surgiu um interesse pela disciplina de Neurociências e esse interesse só aumentou após cursar a disciplina. Quanto à minha participação no projeto de pesquisa, eu achei que seria uma experiência muito rica”, relatou a estudante.

Presente desde o inicio do projeto, a aluna teve a oportunidade de acompanhar a evolução do protocolo, que, segundo ela, o fortalecimento da equipe ao longo do tempo contribuiu e elevou o aprimoramento do projeto.

“Acredito que a integração da equipe se fortaleceu ao longo do tempo, o que contribuiu para um aprimoramento contínuo do protocolo. À medida que as cirurgias foram acontecendo, pudemos adaptar e refinar o protocolo com base em nossas experiências, garantindo uma abordagem cada vez mais eficaz e humanizada para os pacientes submetidos à neurocirurgia”, ressaltou.

A aluna ainda enfatiza que o projeto contribuiu muito para seu desenvolvimento profissional e acadêmico, devido à oportunidade de colocar os conhecimentos aprendidos em sala, em prática.

“Participar do projeto foi uma experiência valiosa na minha trajetória acadêmica, pois o curso tende a ser muito teórico e muitas vezes só temos vivências mais práticas ao final da graduação, mas esse projeto permite ver muitos conhecimentos na parte de avaliação psicológica e neuropsicológica na prática. Além disso, é um projeto interdisciplinar, agregando saberes de diversas áreas do conhecimento”, pontuou a discente do 8° período do curso de psicologia.

O programa recebe suporte financeiro do edital Prop/NIT/Uespi 015/2023 (Uespi-Tech), que permitiu a compra de dois novos aparelhos para o projeto. O edital contempla 20 projetos, cada um com um orçamento individual limitado a 25 mil reais. Esses projetos são vinculados aos grupos de pesquisa cadastrados no CNPq e certificados pela Prop, garantindo uma base sólida de excelência científica.

O Uespi-Tech tem como principal objetivo impulsionar o empreendedorismo e a inovação em diversas áreas do conhecimento. Além de fomentar a pesquisa na Universidade Estadual do Piauí, a iniciativa visa contribuir significativamente para o desenvolvimento do estado.