Impedimento: Brasil x Argentina, um clássico que insiste em não acontecer mais na Copa

13/12/2022 08h41


Fonte O Globo

Imagem: Anibal Philot / Agência O GLOBOBrasil 3 x 1 Argentina: em 1982, um estádio Sarriá lotado assitiu a uma exibição de gala da seleção na Copa da Espanha(Imagem:Anibal Philot / Agência O GLOBO)Brasil 3 x 1 Argentina: em 1982, um estádio Sarriá lotado assitiu a uma exibição de gala da seleção na Copa da Espanha

Em um verão quente espanhol, 2 de julho, Éder acerta uma bola na trave e Zico anota no rebote. Depois, Falcão coloca na cabeça de Serginho, e Zico desliza a mesma bola até Júnior, num inapelável 3 a 0, descontado por um chutaço de Ramón Díaz. Em um verão quente italiano, 24 de junho, Maradona, que oito anos antes havia sido expulso após golpe de caratê em Batista, passa por três brasileiros, enxerga um espaço entre as pernas do zagueiro e entrega o gol a Caniggia, que não desperdiça. Antes, Alemão e Careca haviam acertado a trave.

Os dois cenários dessas partidas históricas entre Brasil e Argentina não existem mais: o Sarriá, palco em 1982, foi demolido em 1997 e hoje hospeda uma praça, um condomínio e um centro médico. O Delle Alpi, que sediou a grande batalha sul-americana em 1990, foi comprado da prefeitura de Turim pela Juventus, que o destruiu em 2009 para subir o no seu lugar o compacto e funcional Juventus Stadium, em 2011. Também nunca mais existiu uma partida entre Brasil e Argentina em Copa do Mundo, o confronto que todos esperávamos que acontecesse hoje, mas, assim como em 1990, a trave nos impediu em pênalti perdido por Marquinhos.

Desde que, em 1914, Carlos Izaguirre e Aquiles Molfino derrubaram um escrete nacional que estava na segunda partida da sua história, na idílica sede do Gimnasia y Esgrima de Buenos Aires, as seleções de Argentina e Brasil se enfrentaram 108 vezes — ou 112, pois dois jogos são computados a mais pela federação argentina, e outros dois, pela CBF. O histórico traz 43 vitórias para o Brasil e 39 para a Argentina, e a vantagem se mantém nas Copas.
Tensões constantes

Além dos embates citados no primeiro parágrafo, os titãs sul-americanos se enfrentaram em 1974, quando o Brasil — de camisetas azuis escuras para contrastar com o albiceleste nas televisões preto e branco — venceu a Argentina em Hannover, na segunda fase da Copa da Alemanha. Assim como o Delle Alpi e o Sarriá, o Niedersachsenstadion, com sua pista de atletismo e bancadas de cimento, foi destruído para a construção de uma remodelada arena da Copa de 2006. Já em 1978, o Gigante de Arroyito, único dos estádios que acolheu um Brasil e Argentina em Mundial que segue de pé, foi a cena da chamada “Batalha de Rosário”.
Imagem: Eurico Dantas / O GLOBO A Batalha de Rosário: na Copa de 1978, na Argentina, confronto terminou num 0 a 0 com dezenas de faltas e dois amarelos para cada lado.(Imagem:Eurico Dantas / O GLOBO) A Batalha de Rosário: na Copa de 1978, na Argentina, confronto terminou num 0 a 0 com dezenas de faltas e dois amarelos para cada lado.

“Creio que será um jogo violento. Se eles começarem, daremos o troco”, disse o ponteiro Gil na véspera da partida. Antes do jogo, a torcida argentina não deixou a seleção brasileira descansar, e a CBD chegou a avisar a Fifa que, se o clima não se acalmasse, o time não entraria em campo. Para apaziguar, a prefeitura de Rosário promoveu um desfile de mulheres vestidas de baianas em frente ao hotel. No campo, um 0 a 0 com dezenas de faltas e dois amarelos para cada lado. Dias depois, a Argentina eliminaria o Brasil após uma estranha goleada de 6 a 0 no Peru.

Desde então, a história de um Brasil x Argentina na Copa ficou nas expectativas frustradas. Em 1994, um gol no último minuto do búlgaro Sirakov pôs a equipe platina no lado do chaveamento do Brasil no mata-mata. A um passo do esperado clássico, porém, a Romênia eliminou os argentinos, com atuação de gala de Gheorghe Hagi, apelidado de “Maradona dos Cárpatos”. Duas semanas depois, o mesmo estádio Rose Bowl, em Pasadena, veria a seleção brasileira sagrar-se tetracampeã.

Em 1998, tanto Brasil quanto Argentina chegaram à segunda fase como líderes. Novamente, o desempenho indicava a disputa do clássico dos clássicos em uma semifinal no Vélodrome, em Marselha. Após vencer a Dinamarca em um confronto complicado, os jogadores brasileiros já projetavam o grande jogo.

“Não temos medo de nenhum adversário”, disse Ronaldo; “Se tivermos que enfrentar a Argentina, será o eterno clássico, com aquela tensão normal entre as duas seleções”, analisou Leonardo. “Só espero que joguemos melhor do que no Maracanã”, afirmou Roberto Carlos, lembrando da desastrosa derrota por 1x0 com gol de Cláudio López e muitas vaias para Raí e Cafu. Porém, o holandês Dennis Bergkamp frustrou as expectativas. Aos 45 do segundo tempo, ao receber um lançamento impecável de Frank de Boer, ele dominou, driblou Zanetti e fez um belo gol, que mandou os argentinos para casa.
Imagem: Anibal Philot / Agência O GLOBODunga e Maradona: na Copa da Itália, em 1990, os hermanos terminaram vitoriosos.(Imagem:Anibal Philot / Agência O GLOBO)Dunga e Maradona: na Copa da Itália, em 1990, os hermanos terminaram vitoriosos.


Em 2002, a decepcionante campanha da seleção argentina de Marcelo Bielsa impediu o superclássico sul-americano. O empate com a Suécia no Miyagi Stadium, no Japão, levou os argentinos a se despedirem do Mundial, e jogou a Inglaterra, segunda no grupo, para a chave do Brasil, possibilitando o inesquecível gol de Ronaldinho Gaúcho que confirmaria o caminho rumo ao penta.

Em 2006, classificados na primeira posição de seus grupos, Argentina e Brasil só se enfrentariam na final, mas ambos caíram nas quartas, para Alemanha e França. respectivamente. Na Copa seguinte, o clássico continental esperado era outro. As projeções colocavam nas oitavas um Uruguai x Argentina, mas a equipe celeste venceu o grupo e não houve o confronto, decepcionando quem esperava pela reedição da primeira final de Copa do Mundo.

Novas decepções

Em 2014 o cenário era bem diferente. A segunda Copa no Brasil mostrava um roteiro ideal para a vingança da “Batalha de Rosário”, só que no Maracanã. O Brasil já havia deixado para trás Chile e Colômbia, enquanto a Argentina, após vitórias magras contra Suíça e Bélgica, penava. Sete gols dos alemães enterraram o nosso sonho: para destruir o deles, bastou um.

Na Rússia, em 2018, o massacre croata sobre a Argentina colocou o time albiceleste no caminho da seleção. Se tivessem avançado nas oitavas e nas quartas, São Petersburgo hospedaria, enfim, o superclássico, mas belgas e franceses impediram a concretização do sonho. Assim como no Catar, quando o Brasil esteve a quatro minutos de pegar Argentina na semifinal de hoje.


Desde aquele passe fatal de Maradona para Caniggia, há 32 anos, parece que sempre há um obstáculo no caminho da alegria mundial, como se em todas as Copas posteriores houvesse um agente da Anvisa pronto para impedir Brasil e Argentina de se enfrentarem. É um jogo tão imenso que, das quatro vezes em que se realizou, três estádios sucumbiram ao seu peso.

Talvez a força de três países, como Estados Unidos, Canadá e México, seja suficiente para abrigar tanta grandeza. As ruas de Buenos Aires, do Rio e de Dacca, onde bengaleses que vestem camisas albicelestes e canarinhos se engalfinham divididos por suas paixões, não tardam por esperar, e que o jogo mais esperado de acontecer numa Copa, enfim, se realize daqui a quatro anos.

Para ler mais notícias do FlorianoNews, clique em florianonews.com/noticias. Siga também o FlorianoNews no Twitter e no Facebook

Tópicos: brasil, mundial, argentina