Uespi: Governador diz que reajuste dos professores deve ocorrer sem desequilibrar finanças do Estado

02/03/2024 12h19


Fonte ClubeNews

Imagem: Jonas Carvalho/ Portal ClubeNewsGovernador Rafael Fonteles(Imagem:Jonas Carvalho/ Portal ClubeNews)Governador Rafael Fonteles

O governador Rafael Fonteles (PT-PI) reconheceu a falta de consenso com os professores da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) quanto ao reajuste salarial da categoria e disse que a prioridade do estado é manutenção do equilíbrio fiscal.

Na quinta-feira (29), os professores da Uespi realizaram uma manifestação em frente ao Palácio de Karnak. Os docentes protestaram contra os cortes salariais na folha de pagamento dos professores e a proposta de reajuste salarial à classe.

“Continuamos a mesa de negociações com todos os servidores e acredito que chegaremos no entendimento o mais breve possível. A gente não vai conseguir atender todas as demandas. Estamos nos esforçando para atender a maioria delas. O diálogo sempre prevalecerá”, declarou Fonteles.

O governador Rafael Fonteles defende um reajuste linear para todas as categorias de 5,35% ao ano até 2026, totalizando cerca de 17%. Os professores defendem que um valor maior, de 22%.

“A gente está se esforçando para atender, mas sem desequilibrar o estado. Essa é uma premissa que eu sempre digo. Ninguém vai fazer nada que contribua para o desequilíbrio financeiro do estado e, obviamente, que um reajuste geral como estamos dando tem um grande impacto. A principal despesa pública é a folha de pagamento”, concluiu.

Negociação

O Governo do Piauí montou, em fevereiro, uma mesa de negociações para tratar sobre o reajuste aos servidores. O aumento está acima dos 4,62% registrados pela inflação. O aumento será concedido aos servidores públicos estaduais que estão na ativa, os inativos, e aos servidores administrativos, técnicos e demais áreas.

O Poder Executivo argumenta que o percentual respeita as diretrizes estabelecidas pela Comissão de Gestão de Finanças e Resultados (CGFR), o controle dos gastos públicos e a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Greve

Mais de 200 professores da Universidade Estadual do Piauí deliberaram pelo não retorno às atividades docentes no dia 02 de janeiro de 2024 na instituição.

A decisão veio após Projeto de Lei do Governo do Estado, que altera o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração da categoria docente, ampliando a carga horário em sala de aula.

Outro ponto discutido pela classe trata sobre a defasagem salarial da categoria que, em 2023, ultrapassou o percentual de 68%, segundo a Associação dos Docentes da UESPI (ADCESP).

Veja mais notícias sobre Política, clique em florianonews.com/politica