Pico da Covid-19 no interior do Piauí não será homogêneo, afirma secretário de saúde

01/08/2020 10h16


Fonte G1 PI

Imagem: Divulgação/SesapiSetor para atendimento de pacientes com Covid-19 no Piauí.(Imagem:Divulgação/Sesapi)Setor para atendimento de pacientes com Covid-19 no Piauí.

Para o secretário estadual de saúde do Piauí, Florentino Neto, o pico da doença nas cidades do interior não ocorrerá de forma homogênea. De acordo com a Secretária de Saúde do Estado (Sesapi), estudos realizados nas últimas semanas mostram que o pico da doença no interior do estado ocorreria no fim de julho e início de agosto.

"Optamos pelo caminho da ciência no início da pandemia, foi feito inquérito todas as semanas e pudemos fazer as previsões dos picos da doença no estado. Haverá regiões com elevações diferentes", explicou o secretário.

Em relação a migração de pacientes do interior para Teresina, o secretário declarou que os números de transferências se mantêm baixos. Floriano Neto reforçou que para que os municípios não sofram sobrecarga nos leitos e altas nos casos, é necessário obediência aos protocolos de segurança.

"É necessário continuar usando máscaras, limpeza periódica das mãos, evitar aglomerações. Comerciantes, empresários e funcionários que precisam trabalhar, precisam obedecer os protocolos porque só a obediência rígida fará com que vencemos a doença",
declarou.

Falta de leitos e profissionais
Conforme o secretário Florentino Neto, os maiores desafios para enfrentamento do novo coronavírus no interior do estado é a desocupação de leitos clínicos e a falta de profissionais de saúde em Picos e Floriano.

"Em Picos foi gerada uma grande demanda de leitos clínicos. Um abrigo de idosos foi contaminado e 10 idosos foram internados no Hospital Justino Luz. Estamos preparando uma unidade na Igreja Católica para abrigar os idosos em recuperação, que não apresentam mais gravidade nos quadros clínicos, visando desocupar leitos. Já em Floriano temos uma capacidade de aumentar leitos e colocar 10 UTIs montadas, faltando os médicos para atuar nelas", explicou Florentino.

Segundo ele, atualmente há 15 leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) em São Raimundo Nonato e Piripiri, 25 em Parnaíba e 20 em Picos. Em Floriano, recentemente foi instalado 10 UTIs e espera-se mais 10 nas próximas semanas.

Outra preocupação nos hospitais de referências ao tratamento da Covid-19 no estado é quanto a falta de medicamentos, seja para o coronavírus, quanto para outras doenças. Florentino afirmou que o problema já era esperado e que a Sesapi está tomando providências para sanar a demanda dos próximos 30 dias.

"Fizemos uma última compra de medicamentos para mais uma semana. Assinamos com uma empresa a compra de medicamentos que devem sanar os próximos 30 dias. Já estamos realizando distribuição de remédios para os municípios com o estoque que temos. Essa demanda ainda não é emergencial. Nosso principal problema agora é conseguir profissionais para Floriano", reforçou o secretário de Saúde do Estado.