OAB de Floriano se solidariza com advogados investigados pela Operação Coiote

18/05/2019 10h10

Da redação do FlorianoNews [email protected]

OAB de Floriano se solidariza com advogados investigados pela Operação Coiote.
Imagem: FlorianoNewsOAB ? Subseção de Floriano.(Imagem:FlorianoNews)

A Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção de Floriano/PI vem externar
solidariedade aos advogados submetidos a procedimentos investigativos provenientes da
“Operação Coiote”.

As inúmeras demandas envolvendo nulidades de contratos bancários decorrem da
crescente e desenfreada realização de negócios jurídicos para concessão de
financiamentos e refinanciamentos, os quais, em sua maioria, são realizados por
“pastinhas” de instituições financeiras que buscam a todo custo firmar contratos bancários
sem a devida informação aos consumidores acerca das regras relacionadas às taxas de
juros, custo efetivo das operações de crédito e período final para as cobranças dos
descontos, prevalecendo-se, assim, da ignorância e vulnerabilidade dos consumidores no
interior do Estado.

Aliás, sabe-se que as referidas demandas são submetidas ao crivo do Poder
Judiciário, momento em que o magistrado resguarda os princípios do devido processo
legal, contraditório, ampla defesa, assim como submete o processo ao duplo grau de
jurisdição, caso ocorra a interposição de recurso pelas partes. Após, eventual saque de
valores realizar-se-á mediante autorização judicial com a devida apresentação do
respectivo alvará, acompanhado – ou não – de procuração com poderes especiais,
conforme regras do provimento da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça do
Estado do Piauí.

A tentativa de criminalização da advocacia por meio da espetacularização e
sensacionalismo de reportagens veiculadas nos últimos dias pelos meios de comunicação
em relação ao número de ações judiciais não intimidará os profissionais da advocacia no
exercício do múnus publico, razão pela qual todos os causídicos devem permanecer
vigilantes sobre as regras atinentes à legalidade para a formalização de contratos
bancários firmados por beneficiários do INSS, obedecendo-se as normas próprias do
Código de Defesa do Consumidor.

Ressalte-se, ainda, que o parâmetro para a cobrança dos honorários advocatícios
não possui qualquer vinculação com a idade do advogado, mas sim pela natureza do
trabalho prestado respeitando-se a tabela de honorários profissionais da Seccional guiado
pelo código de ética profissional, ou seja, é lícito a obtenção de lucros pelo exercício
profissional independentemente de estar em início de carreira.

Por fim, a Subseção de Floriano/PI reitera o compromisso em coibir a violação de
direitos, resguardar as prerrogativas profissionais e o princípio da presunção de inocência
de modo a fortalecer a ordem jurídica do Estado democrático de direito e a Justiça Social.
Floriano/PI, 18 de maio de 2019.

Miriam Noleto Xavier de Oliveira
Presidente da OAB – Subseção de Floriano/PI


Imagem: FlorianoNewsOAB ? Subseção de Floriano.(Imagem:FlorianoNews)

A Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção de Floriano/PI vem externar
solidariedade aos advogados submetidos a procedimentos investigativos provenientes da
“Operação Coiote”.

As inúmeras demandas envolvendo nulidades de contratos bancários decorrem da
crescente e desenfreada realização de negócios jurídicos para concessão de
financiamentos e refinanciamentos, os quais, em sua maioria, são realizados por
“pastinhas” de instituições financeiras que buscam a todo custo firmar contratos bancários
sem a devida informação aos consumidores acerca das regras relacionadas às taxas de
juros, custo efetivo das operações de crédito e período final para as cobranças dos
descontos, prevalecendo-se, assim, da ignorância e vulnerabilidade dos consumidores no
interior do Estado.

Aliás, sabe-se que as referidas demandas são submetidas ao crivo do Poder
Judiciário, momento em que o magistrado resguarda os princípios do devido processo
legal, contraditório, ampla defesa, assim como submete o processo ao duplo grau de
jurisdição, caso ocorra a interposição de recurso pelas partes. Após, eventual saque de
valores realizar-se-á mediante autorização judicial com a devida apresentação do
respectivo alvará, acompanhado – ou não – de procuração com poderes especiais,
conforme regras do provimento da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça do
Estado do Piauí.

A tentativa de criminalização da advocacia por meio da espetacularização e
sensacionalismo de reportagens veiculadas nos últimos dias pelos meios de comunicação
em relação ao número de ações judiciais não intimidará os profissionais da advocacia no
exercício do múnus publico, razão pela qual todos os causídicos devem permanecer
vigilantes sobre as regras atinentes à legalidade para a formalização de contratos
bancários firmados por beneficiários do INSS, obedecendo-se as normas próprias do
Código de Defesa do Consumidor.

Ressalte-se, ainda, que o parâmetro para a cobrança dos honorários advocatícios
não possui qualquer vinculação com a idade do advogado, mas sim pela natureza do
trabalho prestado respeitando-se a tabela de honorários profissionais da Seccional guiado
pelo código de ética profissional, ou seja, é lícito a obtenção de lucros pelo exercício
profissional independentemente de estar em início de carreira.

Por fim, a Subseção de Floriano/PI reitera o compromisso em coibir a violação de
direitos, resguardar as prerrogativas profissionais e o princípio da presunção de inocência
de modo a fortalecer a ordem jurídica do Estado democrático de direito e a Justiça Social.
Floriano/PI, 18 de maio de 2019.

Miriam Noleto Xavier de Oliveira
Presidente da OAB – Subseção de Floriano/PI



Para ler mais notícias do FlorianoNews, clique em florianonews.com/noticias. Siga também o FlorianoNews no Twitter e no Facebook